Quadrado Aristotélico: credibilidade

CREDIBILIDADE

O QUE VOCÊ É? VERDADE, MENTIRA, SEGREDO OU FALSIDADE

  O quadrado aristotélico pode nos mostrar as posturas e conseqüências da interação humana, por meio da combinação das variáveis SER e PARECER e NÃO SER e NÃO PARECER.

Vamos considerar que SER refere-se aos conhecimentos, às habilidades e atitudes pertinentes ao contexto da interação entre duas pessoas. Por exemplo, se você está em uma entrevista de emprego, é pertinente vestir-se com roupa formal e falar sobre suas competências. Mas se você está na praia agindo da mesma forma, seu comportamento será visto como não pertinente.

Vamos considerar que PARECER refere-se à interpretação do SER na percepção do outro.

Quanto mais o SER e PARECER estiverem sintonizados e pertinentes ao objetivo do ato comunicacional, tanto maior será a credibilidade do emissor da mensagem.

O quadrado aristotélico sugere quatro combinações possíveis das variáveis, com resultados positivos ou negativos nas relações interpessoais.

Ser e não parecer: você é um segredo

 Muitos profissionais vivem anos a fio trabalhando em empresas, ocultos em suas atividades, sem transformar seu real potencial em competências, seu conhecimento tácito em conhecimento explícito. Não se destacam e não fazem diferença no meio ambiente, limitando seu crescimento pessoal, profissional e, inclusive, financeiro. Guardam seu conhecimento como um SEGREDO, talvez por falta de confiança em si ou, quem sabe, por não conhecerem o próprio potencial.

Mas pode ocorrer o contrário, o profissional NÃO SER realmente competente e vender-se melhor do que é. Vejamos o que acontece.

Parecer e não ser: você é uma mentira

O resultado é a MENTIRA. Relações interpessoais estabelecidas de acordo com essa combinação não conseguem sobreviver por muito tempo. São relações breves que vão se deteriorando pela frustração e expectativas não atendidas. Profissionais conseguem emprego, porém “vendendo” um currículo melhor do que realmente são. Seu interlocutor vai se decepcionando, pois não consegue ver os resultados de seu trabalho. O processo de comunicação torna-se difícil e conflitante. O término da relação é inevitável, chegando-se à seguinte conclusão – “Ele parecia competente e no entanto mostrou-se diferente do que aparentou inicialmente. Foi uma grande mentira”.

 Não parecer e não ser: você é uma falsidade

Existem aquelas pessoas que NÃO PARECEM e NÃO SÃO competentes.

Enquanto a mentira engana por algum tempo, a FALSIDADE, resultado dessa combinação, é denunciada imediatamente.

Na relação NÃO PARECER e NÃO SER, o bloqueio da comunicação aparece logo nos primeiros contatos, impedindo a continuidade de um relacionamento duradouro.

Se analisarmos o mercado de trabalho atual, podemos constatar uma incidência de desempregados que se enquadram nesta combinação. Os novos tempos de um mercado globalizado exigem novas competências dos profissionais e aqueles que não percebem a necessidade de mudar e não reagem na mesma velocidade das mudanças, se perdem pelo caminho, despreparados e incompetentes para as novas demandas organizacionais. Perdendo sua credibilidade, não convencem e nem persuadem os empregadores, e o destino certo é a exclusão.

Por último, existem as pessoas que se enquadram na melhor combinação.

SER E PARECER: VOCÊ É UMA VERDADE

É a combinação que resulta na VERDADE. É a mais convincente, pois não só o emissor da mensagem acredita e sabe de suas próprias competências como também é percebido como tal, aos olhos do outro. Sua credibilidade é baseada no SER.

O QUE VOCÊ GANHA EM SER ASSERTIVO

 A comunicação assertiva é o estilo que possibilita SER e PARECER, pois suas características estimulam uma comunicação transparente, honesta, objetiva e de mão dupla.

A pessoa que adota a comunicação assertiva consegue estabelecer as duas direções que flexibilizam e dão equilíbrio à sua relação com o outro: Influenciar e Ser influenciado.

A assertividade possibilita a um profissional ser mais competente, à medida que ele se torna uma pessoa segura e confiante em seu potencial, clara e concisa em suas relações, e:

  • desenvolve relações interpessoais maduras, baseadas no auto-respeito e no respeito aos outros colegas;
  • coloca limites às pessoas agressivas que tentam invadir seu espaço;
  • estimula as pessoas passivas, que se sentem inseguras ao se posicionar;
  • analisa e resolve o problema, sem necessidade de buscar culpados;
  • expressa seus sentimentos e opiniões de concordância e discordância com tranqüilidade;
  • tem a humildade de pedir ajuda;
  • exerce com tranqüilidade a autoridade;
  • defende-se contra os excessos de poder;
  • controla seus medos e aprende a integrar-se ao grupo, sem se deixar manipular ou dominar pelo conformismo da maioria, conservando a riqueza da sua própria individualidade.

No aspecto pessoal, a assertividade traz bem-estar, uma vez que a pessoa tem o controle de sua própria vida, sem necessidade da aprovação de outras pessoas sobre suas escolhas.

Na vida familiar a assertividade ajuda na educação dos filhos, no relacionamento conjugal e afetivo. Portanto, é um fator determinante ao nosso bem-estar, pois, através da afirmação do nosso eu, adquirimos uma auto-estima positiva e ficamos mais seguros para enfrentar os desafios do cotidiano.

Podemos concluir, com segurança, que a comunicação assertiva é realmente uma ferramenta eficaz para promover a qualidade de sua vida pessoal e profissional, dando-lhe credibilidade nos diversos papéis que desempenha, seja no ambiente profissional, familiar ou social.

A assertividade pode, também, contribuir para as relações comerciais, dando um novo rumo ao capitalismo vigente, pois a comunicação assertiva exige dos interlocutores a transparência em sua comunicação e o respeito mútuo.

O comportamento assertivo torna a pessoa capaz de agir a favor de seus próprios interesses, de se afirmar sem ansiedade, de expressar sentimentos sinceros sem constrangimento, ou seja, de exercitar seus próprios direitos, incluindo os direitos do outro. Assertividade é o pano de fundo do diálogo.

Este é um grande desafio para a sobrevivência profissional das pessoas, pois quem é assertivo tem mais credibilidade e é mais respeitado, com chances maiores de sucesso profissional. Mesmo correndo o risco de desagradar pessoas não assertivas, acredito valer a pena apostar nessa alternativa.

Vera Martins, autora dos livros Seja Assertivo!, Tenha Calma! e O Emocional Inteligente, ceo da Assertiva Educação Corporativa. www.assertiva.com.br

veramartins@assertiva.com.br

 

Pare de ser reativo, seja proativo!

QUALIDADE DE VIDA E POSTURA FRENTE A VIDA

Quando falamos em qualidade de vida no trabalho, pensamos naquela sensação de prazer, conforto e bem estar quando:

  • Sentimos que valeu a pena o esforço ao sermos reconhecidos por um trabalho bem feito;
  • Levantamos de manhã motivados para chegar logo no trabalho e colocar nossas ideias em prática;
  • Nos sentimos importantes, ouvidos e levados à sério em nossas opiniões porque estamos contribuindo com o melhor de nós aos resultados da empresa;
  • Somos desafiados por metas que nos tiram da zona de conforto e exigem nosso esforço, nossa determinação para vencermos os obstáculos, nossa criatividade para sermos diferentes na solução dos problemas;
  • Somos respeitados pelo nosso gestor e colegas, e
  • Percebemos que as políticas da empresa são justas, cuidando de uma relação capital-trabalho de forma igualitária e que existe uma reciprocidade entre o que entrego e o que recebo nas relações de trabalho.

Podemos concluir que um profissional tem qualidade de vida no trabalho quando se sente feliz e satisfeito com a carreira escolhida, com as interações sociais estabelecidas no trabalho e relação justa entre suas entregas de resultados e reconhecimento da empresa, expectativas essas que variam entre os profissionais pois dependem dos desejos e necessidades de cada ser humano.

Porém, qualidade de vida no trabalho depende de outras dimensões da vida de um ser humano: do cuidado com sua saúde física, de uma relação saudável com sua família, do equilíbrio entre o dinheiro que entra e contas a pagar incluindo alimentação, diversão e saúde.

Porém, um fator determinante é a forma como vemos o mundo, ou seja, nossos valores, crenças e pensamentos determinarão nossas ações de fracasso ou sucesso em todas as áreas da nossa vida.

Segundo Dr Martin Seligman – no livro “Felicidade Autêntica”:

  • Otimista é aquele que acredita na possibilidade de sucesso, mesmo na ausência de provas concretas
  • Pessimista é aquele que não acredita na possibilidade de sucesso, mesmo na presença de provas concretas.

Como vê, sua alegria de viver e sua qualidade de vida depende mais de você do que de fatores externos.

Assim, crie uma visão de futuro positiva e viva essa visão no presente, para construir um amanhã feliz.

Pare de ser reativo e seja proativo!

A pessoa reativa deixa circunstâncias ou o ambiente mostrarem a ela como responder. O reativo é um coadjuvante, pessimista, não encara a vida de frente, busca culpado e usa a vitimização como desculpa para seus fracassos e infortúnios. Normalmente se expressa assim: “Não há nada que eu possa fazer, a vida é assim”; “Sou obrigado a fazer esse trabalho, pois não tenho outra opção a não ser obedecer”; “ As coisas estão cada vez piores”.

O proativo é um protagonista que constrói sua própria história, olhando a vida de frente e buscando soluções aos obstáculos que se apresentam. Quando tem um fracasso, prefere tirar aprendizados do erro e mudar seu comportamento para ser uma pessoa melhor. Normalmente se expressa assim: “Vamos procurar outras opções”; “Eu escolho, eu prefiro”; “O que vamos fazer para mudar o rumo da crise?” ; “Posso controlar meus sentimentos” .

Qual é a sua visão de futuro?

Daqui para frente o que você fará para ser uma pessoa mais feliz, mais bem-resolvida, com melhor qualidade de vida?

Qualidade de vida é ser otimista e pensar que a vida vale a pena ser vivida, tem um propósito e sentido.

Desejamos que sua vida profissional seja marcada por muitos gols, sucesso também refletido na sua vida pessoal.

 

 

Você tem o pensamento acelerado?

Sindrome Pensamento Acelerado

Gente, em alguns momentos essa síndrome me pega. Quando assumo mais compromissos do que meu tempo disponível, meus pensamentos parecem um turbilhão. Normalmente, nessas situações, vou caminhar pelo bairro e converso com diversas pessoas conhecidas. Assim distraio minha mente e volto com a mente mais tranquila e pronta para organizar minha agenda. Faço minha lista, divido grandes projetos em etapas, começo a executar as menores tarefas para meu cérebro se sentir satisfeito e recompensado com o término mais rápido e minha energia produtiva cresce cada vez mais. Tem dado certo. Mas leia a matéria da revista “Meu cérebro”.

Compartilhe as técnicas que você tem utilizado para driblar seu pensamento acelerado.

Um abraço

Vera Martins – veramartins@assertiva.com.br

Como influenciar positivamente seu chefe

Eu resolvi publicar esta matéria que escrevi porque tenho sido questionada com bastante frequência e com certo desespero dos profissionais, como se relacionar e tratar um chefe difícil, agressivo, inseguro, etc.

Eu não desejo que você seja a inimiga número 1 do seu chefe por conta de não saber lidar com ele. O que mais quero é que você seja craque no processo de influência positiva e que transforme seu chefe em seu parceiro.

Por isso, resolvi escrever as 8 dicas que seguem ou/e você pode assistir ao VIDEO . 

Continuar lendo Como influenciar positivamente seu chefe